Antes que o Café Esfrie, de Toshikazu Kawaguchi

junho 29, 2022


Se você pudesse voltar no tempo, para um único momento importante para você, mesmo que você não pudesse alterá-lo, você iria?

Uma das grandes questões, quando falamos sobre viagem no tempo, é para onde iríamos. Para onde, em que momento, quem você gostaria de conhecer? Já me perguntei isso várias vezes enquanto lia livros de ficção científica. Será que eu gostaria de revisitar algum momento da minha própria vida?

Em Antes que o Café Esfrie, de Toshikazu Kawaguchi, publicado no Brasil pela Editora Valentina, com tradução de Priscila Catão, a viagem no tempo é possível. Você até pode revisitar determinado momento do passado. Mas existem algumas regras que você deve seguir.

Antes de tudo, é preciso explicar que somente um lugar te permite viajar no tempo: o café Funiculì Funiculà, um café subterrâneo que fica em Tóquio, e que ninguém dá muita atenção. Ao entrar, entretanto, o clima caloroso e confortável faz as pessoas gostarem dele. Lá, algum dos três trabalhadores poderão te atender, e sempre haverá uma garota de branco sentada em uma das cadeiras, com um vestido de meia estação, independente do clima lá fora. 

Mas se você quiser viajar no tempo, só poderá viajar para momentos que aconteceram dentro daquele café. Se quiser ver outra pessoa, só poderá vê-la se ela já tiver ido ao café. Você deverá se sentar no local onde a garota de branco está sentada. Ela só se levanta uma única vez durante o dia, para ir ao banheiro. Ah, e ela é um fantasma. Caso você tente tirá-la a força para se sentar no lugar dela, você será amaldiçoado.

Algumas outras regras são necessárias: você não pode se levantar do lugar onde está sentado, se não será transportado para o presente imediatamente. Nada do que você fizer poderá mudar o presente. E você só tem o tempo de ficar no passado enquanto seu café estiver quente. Antes que o café esfrie. Se você não retorna ao presente antes que o café fique frio, você fica presa.

Tendo um lugar que pode viajar no tempo é de se esperar que muitas pessoas visitariam o café, mas as regras desanimam um pouco os visitantes, até porque muitos não acreditam que, de fato, a viagem seja possível.

Mas é. E, como mágica, parece que as pessoas que precisam dessa viagem acabam encontrando o café. Em uma teia de questões, buscas de respostas e as tentativas de encontrar um pouco de acalento com pessoas que já partiram (de diversas formas, na verdade), um grupo de pessoas acaba realizando a viagem ao longo do livro. Cada capítulo conta uma história de um desses viajantes. E, ao final, todas essas pessoas acabam ligadas para sempre. Afinal de contas, só quem passou por uma experiência dessas pode compreender outra pessoa em situação parecida.


Eu comprei o livro em ebook em uma dessas promoções da Amazon, porque fiquei muito curiosa. Muitas pessoas comentaram sobre esse livro, e como ele ficou famoso lá fora, e, claro, as sinopses que eu li me chamaram muito a atenção. 

Eu imaginei que seria um livro com bastante drama, mas a forma como a história é conduzida torna tudo um pouquinho mais leve. Além de várias parte divertidas, tem muitos personagens cativantes, que fazem com que a gente queira muito conhecer mais sobre eles. Foi uma leitura muito fluida, muito divertida, e me deu muito o que pensar, sobre nossas escolhas e sobre como um pequeno momento, uma frase a mais ou a menos, acabam alterando para sempre nossas vidas. Eu acho que esse tipo de reflexão é uma das coisas mais legais quando lemos ou assistimos algumas histórias de viagens no tempo e seus paradoxos temporais.

O livro foi adaptado para o cinema em 2018, intitulado Kohi ga Samenai Uchi Ni (Café Funiculi Funicula, em português, como o título foi traduzido), dirigido por Ayuko Tsukahara, que ainda não assisti mas pretendo procurar para ver em breve. E, de acordo com o site JBox, o livro teve duas sequências: Kono Uso ga Barenai Uchi ni (“Antes que Essa Mentira Se Espalhe”) e Omoide ga Kienai Uchi ni (“Antes da Memória Desaparecer”). Nenhuma das duas ainda foram publicadas no Brasil, mas ambos foram publicados em inglês: Tales from the Cafe e Before Your Memory Fades. Vou deixar os links logo abaixo.


Recomendo bastante a leitura. Me lembrou um manhwa que eu lia quando era adolescente, chamado Tarot Cafe. O tema pode não ser muito parecido, mas algo ali me trouxe boas memórias. Se você está procurando uma leitura sensível, divertida e, ainda sim, dramática, esse livro pode ser uma boa opção.

Você pode comprar os livros através dos links da Amazon: Antes que o Café EsfrieTales from the Cafe e Before Your Memory Fades.

*Comprando com meus links da Amazon, você dá aquela forcinha sem pagar nada a mais por isso :)


Leia também:

2 comments

  1. Já ouvi falar desse livro várias vezes e fiquei bem curiosa. Adoro enredos com viagens no tempo e esse parece ser bem interessante por sair do lugar comum sobre o assunto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei muito dele, amiga. Ele é bem diferente do que eu já tinha lido de viagem no tempo. Até porque ele foca pouco no quesito viagem, e é mais interessado nas emoções das pessoas, nos motivos de terem a vontade de fazer essa viagem. É muito mais emoção do que regras de viagem no tempo, sabe? gostei muito.

      Excluir

Comentários educados são sempre bem recebidos!

Mas não aceito nem tolero ofensas, comentários impossíveis de compreender, spams e qualquer tipo de intolerância.

Os comentários são moderados, por isso aguarde a aprovação!