They saved the world a lot: Buffy e Supernatural


Eu não costumo assistir séries. Não gosto muito de narrativas muito longas, me perco facilmente quando uma série tem muitos episódios. Mas, inevitavelmente, algumas séries escapam e acabam atraindo minha atenção. E eu iria ainda mais longe e diria que algumas séries parecem ter sido feitas pra mim. É uma visão meio narcisista das coisas, mas a verdade é que algumas séries reúnem tantos elementos que me são queridos que fica essa impressão.
Eu assisti Buffy em um momento meio complicado da minha vida. Eu me sentia meio perdida, não estava exatamente onde queria estar, estava com problemas comigo mesma, e encontrei em Buffy uma âncora. Buffy mudou muitas coisas na minha vida, me transformou em uma pessoa melhor, me fez refletir sobre muitas coisas. Já até me peguei me perguntando "nessa situação, o que Buffy faria?".


E é engraçado quando algumas obras conversam nesse nível com a gente, né? Uma garota que gostava muito de fazer compras e levava uma vida tranquila, acaba descobrindo que é a escolhida e precisa caçar vampiros e salvar o mundo. Uma obra de ficção que me ensinou tanta coisa. Me ensinou a ponderar, a refletir, a confiar, principalmente em mim mesma. Buffy foi uma dessas séries que eu pensei ter sido feita pra mim. Da trilha sonora ao lore, dos atores e da scooby gang, tudo conversava diretamente comigo e com o período que eu estava passando. Se tornou uma das minhas coisas preferidas.

Levou alguns anos até que eu encontrasse outra série que falasse em nível tão profundo comigo novamente. Supernatural, série que começou em 2005, que minha mãe assistia quando eu era adolescente, e demorou muito tempo até que eu desse uma chance. Demorou anos. Foi só no ano em que a série dava seus últimos suspiros, em 2020, que resolvi assistir. Até certo ponto eu agradeço por isso, pois novamente a série chegou até mim no momento que deveria ter chegado. O momento que eu precisava dela.


Além dos sentimentos que as duas séries me causaram, gosto de perceber os elementos que me chamaram a atenção em ambas. As duas séries utilizam a fórmula "monstro da semana", mas interligando seus episódios a um plano maior, uma trama mais longa. Até alguns atores marcaram presença nas duas séries (e você pode ver a lista aqui).

Assim como em BuffySupernatural trata de amigos que são como família, de suportar uma carga pesada demais para si pelo bem de outras pessoas (e, em ambos os casos, as outras pessoas são o mundo inteiro). Buffy Summers morreu duas vezes para salvar o mundo, e os irmãos Winchester, cada um, devem ter morrido mais ou menos isso também. Eles impediram o apocalipse, livraram seus amigos de perigos, apanharam bastante de seus destinos. 


As duas séries começaram com uma luta bem vs mal contra criaturas malignas e terríveis, e avançou ao longo de suas temporadas para perceber que nem tudo é 8 ou 80. Ao final das duas séries, nossos protagonistas perceberam que não é o que você é que te faz uma pessoa (ou monstro!) ruim, é o que você faz.

As duas séries, também, começaram com seus personagens ainda jovens, com uma diferença pequena de idade, e terminaram com eles já adultos, mais responsáveis, mais maduros, compreendendo melhor seus lugares no mundo. Buffy, de repente, sentiu a responsabilidade em suas mãos com uma série de eventos que a levou cuidar de sua irmã, da casa, de seus amigos. A escola já não era um problema, graças ao tamanho das outras coisas que a perturbavam. Faculdade? Difícil conseguir se concentrar precisando cuidar de Sunnydale, de sua irmã, de sua casa. Dean, certo dia, surge para levar Sam em busca de seu pai, que não retornou depois de uma caçada, e desde então, para os dois, o "negócio da família" não era uma alternativa de futuro, era o próprio destino.

Buffy e Supernatural me fizeram sentir algumas coisas bem semelhantes, e guardo com carinho os momentos que passei com esses personagens, levando na memória meus episódios preferidos, para que eu possa revisitá-los sempre que precisar de uma mãozinha. 

Assim como qualquer série grande, Supernatural e Buffy tiveram seus altos e baixos. Temporadas e episódios, decisões criativas que podem não ter agradado a todos. Mas eu amei cada segundo, e devo permanecer amando por muito tempo.

Buffy acabou em 2003, mas sobrevive em quadrinhos e em seus fãs. Supernatural acabou em 2020, conta com alguns livros canônicos que ampliam o universo da série. Mas tenho boas notícias sobre Supernatural: eu e Mia, dos blogs Na Cabeceira e Querido Clássico, estamos com um blog novo chamado The Winchester Girls, e pretendemos lançar conteúdo sobre a série, mesmo que ela tenha acabado. Tudo para suprir essa falta que ela nos fará. <3

Jéssica Reinaldo

Jéssica Reinaldo

Formada em História, escreve e pesquisa sobre terror. Tem um afeto especial por filmes dos anos 1980, vampiros do século XIX e ler acompanhada de um café quentinho. Siga nas redes: Twitter | Facebook | Instagram

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários educados são sempre bem recebidos!

Mas não aceito nem tolero ofensas, comentários impossíveis de compreender, spams e qualquer tipo de intolerância.

Os comentários são moderados, por isso aguarde a aprovação!

Instagram