Garota Exemplar, de Gillian Flynn


Meu primeiro contato com a escrita de Gillian Flynn foi com Objetos Cortantes. Li o livro em setembro de 2018, mais ou menos na mesma época em que assisti a série que o adapta. Lembro que fiquei bastante tocada com a história e todo o desenvolvimento da personagem, lembro de ficar encantada com o que a Flynn pretendia com aquele livro. Gravei o podcast do Delirium Nerd sobre a obra, e logo fui procurar outras coisas da autora. Comprei a edição física de O Adulto, achei a história incrível, e comprei o ebook de Garota Exemplar, que não tinha lido até semana passada. Dei um tempo, li outras coisas, acabei deixando ele guardado no kindle. 
Mas, fazendo um movimento de descobrir o que ainda não li no aparelho, acabei vendo ele ali, quietinho, esperando pra ser lido e pensei que fosse um bom momento pra voltar a ler e descobrir as personagens perturbadoras de Flynn. E, claro, assistir o filme, que também não tinha assistido ainda.

Pra começar, Garota Exemplar causou um furor quando foi adaptado para o cinema. Então, quando comentei que ainda não tinha assistido, alguns amigos me perguntaram "Jéssica, mas como? Como você escapou dos spoilers?" e eu não escapei. Peguei um ou outro, mas nada que afetasse diretamente o desenvolvimento da leitura, e eu fiquei fascinada como a trajetória toda. Mas, é um pouco difícil expressas exatamente os sentimentos sem entrar em algumas partes sobre a história, então se você não leu o filme nem leu o livro e quer guardar a experiência completa, é melhor parar aqui. O texto a seguir tem spoilers

O Livro

Garota Exemplar, de Gillian Flynn, foi lançado pela Editora Intrínseca, com tradução de Alexandre Martins. Preciso começar dizendo que a leitura é um pouco lenta. Não que o ritmo seja devagar ou que acompanhar a vida de Nick e Amy seja tedioso (porque se tem uma coisa que a vida desses dois não é, é tediosa), mas se você gosta de acompanhar o desenvolvimento da leitura é melhor não. Muita coisa acontece e parece que você não avançou tanto assim, ainda mais porque você quer saber muito onde aquilo vai dar. 

A história de Garota Exemplar é a seguinte: Amy é uma jovem rica, bonita, inteligentíssima e que não está muito contente. Seus pais utilizaram seus diplomas em psicologia e acabaram construindo um império com o nome da menina: ela foi usada como inspiração para uma série de livros chamada Amy Exemplar. Uma das reclamações de Amy é como seus pais sempre a criticavam de forma passiva-agressiva através dos livros, sempre um passo a frente. Mas tudo muda quando ela conhece Nick, um jornalista que escreve sobre cultura pop para uma revista masculina. Nick Dunne é um tipo de cara que conhecemos muito bem: se acha muito esperto, conquistador, não quer uma garota com problemas reais, quer mais ou menos uma manic pixie dream girl para conviver. Amy, por outro lado, parece exatamente o tipo de mulher que ele procura.

Mas não é. Ao longo da primeira parte do livro vamos acompanhando o desaparecimento de Amy através do ponto de vista de Nick, intercalando com um suposto diário de Amy que começa desde o dia que se conheceram em uma festa. As descrições de Nick não batem com a a descrição de Amy nessa primeira parte. Acompanhamos a descrença dos policiais, dos conhecidos da família, da suspeita crescente de que Nick fez algo com a esposa e tudo se torna um grande circo midiático. Descobrimos que o casamento não estava bem, que Amy estava com medo de Nick, que Nick agredia fisicamente e psicologicamente a esposa, que ele mantinha uma amante, que Amy tomou uma péssima ideia ao se casar com ele, e que estava grávida quando foi, provavelmente, morta.

E novamente: mas não estava. Na segunda parte do livro descobrimos que a mulher forjou tudo para dar uma lição no seu marido infiel. O diário foi construído, as provas foram plantadas, tudo para incriminar o homem, levá-lo a cadeia e até a morte. Amy descobriu que Nick a estrava traindo com uma mulher mais jovem que ela e resolveu se vingar e forjou o próprio desaparecimento. Daí você já tem uma noção de quem é Amy, mas quanto mais coisas são reveladas mais você descobre que ela é absolutamente perturbada e inteligente demais. Amy tem essas atitudes desde criança, com incidentes em seu ensino médio, no colégio e durante a vida adulta. Mas Amy não esperava que as coisas no mundo real eram terríveis, pois estava pela primeira vez sozinha, lidando com a vida por si mesma. Quando é roubada por uma dupla onde estava se escondendo, Amy pede ajuda para um antigo admirador, Desi, e é aí que as coisas saem de seu controle. 

Na terceira parte do livro Amy resolve voltar para Nick, forjar um sequestro e livrar Nick da prisão depois de um apelo feito em rede nacional. Amy acreditava que Nick a queria de volta e que ele a aceitaria em casa. Nick desenvolveu um ódio absoluto por Amy, mas percebeu que a conhecia bem demais e que conseguiria a trazer para casa. Ela retorna, põe a culpa do sequestro em Desi, e resolve se manter por perto. Não quer o divórcio, ameaça Nick que ainda pode faze-lo ir preso, manda que ele admita que tudo no diário é real, e ainda consegue ficar grávida de verdade de Nick sem ter feito sexo com ele através de esperma que ela mantinha guardado. 


Amy é absurda, e Garota Exemplar é uma montanha-russa emocional esquisita e impossível. Fui completamente enganada durante a primeira parte inteira do livro, acreditei totalmente em Amy (mesmo sabendo, através dos spoilers de todos esses anos, que não era bem aquilo). Mas eu não estava preparada para a real versão dos fatos, os acontecimentos, as consequências, e muito menos estava preparada para o final. 

Nota-se desde o início da segunda parte o quanto Amy é assustadora, inteligente e manipuladora. Mas um momento do livro deixou isso extremamente claro para mim, que é quando Amy conta por quanto tempo está chorando para que ela não fique com uma cara "feia" de choro, sendo só o tempo de uma cara "adorável". 
"Conto enquanto choro no ombro engomado de Desi: um Mississippi, dois Mississippi — aquele rio novamente — e freio as lágrimas depois de um minuto e quarenta e oito segundos." 
O mais assustador de tudo isso, é que depois que tudo acontece, depois que Amy conta como armou tudo, como matou seu "sequestrador", porquê fez tudo aquilo, Nick permanece com ela porque ele concorda com Amy: foi Amy que o fez quem ele era, e qualquer outra pessoa não chegaria aos pés de Amy. 
Foi preciso essa situação medonha para que nós percebêssemos. Nick e eu nos completamos. Sou um pouco de mais, e ele é um pouco de menos. Sou um espinheiro, eriçado pelo excesso de atenção de meus pais, e ele é um homem de um milhão de pequenos ferimentos paternos, e meus espinhos se encaixam perfeitamente em suas feridas.
A história toda é assustadora demais. Assustadora porque você não consegue ter empatia por nenhum dos dois personagens, eles entraram em uma bola e em um ciclo de situações absurdas e, no final, você acaba achando que os dois se merecem realmente. Gillian Flynn te prende em uma teia de perturbações e absurdos que você se vê acompanhando a história como se fosse uma história real, envolta em uma teia fantástica, mas que nenhum dos dois é uma vítima. E, afinal, parece que nenhum dos dois se sente assim.

Desculpem a repetição da palavra absurdo, mas é isso que eu sinto pela história que li e assisti em Garota Exemplar: é tudo um absurdo do caramba. Mas não significa que não gostei de ler, eu gostei. Eu não consegui parar de ler até o final e isso foi ótimo, porque gosto de livros assim: eu gosto da sensação de não poder largar o livro até terminar, de estar com sono e querer continuar lendo, de sonhar com o que li.

O filme

Lançado em 2014, dirigido por David Fincher e com roteiro adaptado pela própria Gillian Flynn, Garota Exemplar adapta muito bem o livro da autora. Falas são reproduzidas de forma igual as que estão no livro, os atores foram escolhidos de forma surpreendente e todos estão ótimos em seus papéis. As alterações feitas foram poucas, mas trabalham de forma a só deixar a coisa mais fluida.


Como comentei no começo do texto sobre o livro, ele pode parecer um pouco lento não por motivos de ser um texto tedioso, mas porque coisas demais acontecem e parece que a leitura não avança (e isso foi uma experiência minha, claro, mas algo que acho que vale a pena comentar). O filme apara algumas barrigas, se torna mais direto, e não parece que se passaram quase duas horas e meia quando você termina de assistir.

O filme acabou sendo uma excelente adaptação, serve tanto como história sozinha como complemento visual do texto escrito por Flynn. 

Claro, você fica com raiva. A história de Garota Exemplar é bastante aterrorizante e absurda, no sentido de "eu não acredito que isso está acontecendo". Os personagens são cretinos, todos tem algum tipo de desvio de moral e a vontade mesmo é que todos eles acabem se arruinando sozinhos. E acho que essa é uma intenção da autora: não gostar de ninguém, fazer com que os dois personagens principais se destruam mutuamente tanto aos olhos do leitor quanto aos acontecimentos da história. 

Pretendo ler outras coisas da autora ainda (só resta Lugares Escuros, mas pretendo reler O Adulto assim que possível), mas posso dizer que a escrita de Flynn é estranha e incrível, ela afunda em algumas situações e nos leva junto. Recomendo a leitura de Garota Exemplar com a mesma força que recomendo a de Objetos Cortantes

Compre os livros

Jéssica Reinaldo

Jéssica Reinaldo

Formada em História, escreve e pesquisa sobre terror. Tem um afeto especial por filmes dos anos 1980, vampiros do século XIX e ler acompanhada de um café quentinho. Siga nas redes: Twitter | Facebook | Instagram

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários educados são sempre bem recebidos!

Mas não aceito nem tolero ofensas, comentários impossíveis de compreender, spams e qualquer tipo de intolerância.

Os comentários são moderados, por isso aguarde a aprovação!

Instagram