Melhores Contos, de Lygia Fagundes Telles



Desde que comecei a prestar mais atenção aos nomes e aos títulos que consumo enquanto leitora, surgiu uma necessidade de conhecer o trabalho de autoras que não conhecia mas que, de alguma forma, são importantes para os meus próprios trabalhos. Conhecer autoras que ajudaram a pavimentar o caminho para o terror, que foram esquecidas dentro do cânone, que são grandes nomes e que nem sempre são lembrados nos momentos de listagem de grandes autores.  

Foi numa dessas que me apaixonei por Shirley Jackson, que encontrei autoras incríveis que eu desconhecia como a Daphne Du Maurie, Edith Wharton e Edith Nesbit, Vernon Lee e tantas outras. Um dos grandes responsáveis por isso foi o livro Monster, She Wrote, que é um serviço importante de redescoberta de mulheres que escreveram sobre o gênero. Outro livro importante nessas descobertas foi Vitorianas Macabras, que trouxe muitos dos contos do século XIX para a minha atenção, traduzindo para o português algumas das autoras que constam no Monster, She Wrote.

Mas e o caminho e tradição literária brasileira, escrita diretamente em português? Eu sentia essa lacuna e entendi que precisava preenchê-la. Quando tive a oportunidade de escrever o texto As mulheres do Brasil e a ficção especulativa para a Escotilha NS, eu percebi que precisava pesquisar sobre o assunto. Quem veio ao meu socorro foi o livro Fantástico Brasileiro, escrito por Bruno Anselmi Matangrano e Enéias Tavares (com arte maravilhosa do Karl, que é um artista sensacional), lançado pela Editora Arte e Letra. No capítulo nove, intitulado "Porque mulheres também escrevem Ficção Científica", encontrei muitos nomes que precisava. No capítulo seguinte, chamado "Narrativas Absurdas em Torno do Realismo Maravilhoso" também constava outro nome que já tinha aparecido diversas vezes nas minhas leituras e que eu percebi que precisava olhar com maior atenção: Lygia Fagundes Telles

Então, recebi um livro da Global Editora, no selo Global Pocket, com uma seleção dos contos de Telles em uma seleção de Eduardo Portella. Achei uma excelente porta de entrada para conhecer mais o trabalho da escritora, que nunca tinha parado realmente para ler. A edição é bastante simples, por ser uma edição de bolso, então tanto a capa quanto o miolo não tem muitas adições, orelha, texto complementar ou qualquer coisa, mas é uma edição com 16 contos, uma biografia da autora e uma apresentação bastante completa sobre o trabalho, sem muitos erros de português e com um preço bastante razoável. O que pode ser um ponto negativo pra alguns, pode ser positivo pra outros. Novamente, é uma ótima porta de entrada para quem quer conhecer melhor seus textos, que contém contos dos mais variados tipos, inclusive os contos mais fantásticos da autora. 



Sobre o livro:

Selecionei alguns dos contos preferidos para falar sobre eles:

Herbarium: com a história de uma garota que passa a sentir alguns sentimentos pelo primo que está em repouso na casa de sua família no campo, o detalhe mais gostoso do conto são as mulheres da família, que são todas bem diferentes entre si, meio místicas, que conseguem perceber segredos e fazer chás e tem um interesse pelas questões ocultas. Não é uma grande parte do conto, mas é um detalhe que transforma uma narrativa sobre o amor de uma jovem por um primo muito mais interessante. 

A Confissão de Leontina: o conto talvez mais triste do livro, narrado em primeira pessoa, conta a história de uma acompanhante/dançarina que está presa. Aos poucos ela conta sobre sua vida no interior e sobre como chegou até a capital e como seus anos na infância a afetaram. Depois, nós acabamos descobrindo que ela cometeu um crime, mas toda a inocência da personagem e como a vida foi ingrata com ela acabam sendo uma história terrível de uma jovem que não teve muitas escolhas.

A Caçada: um conto muito interessante sobre um homem que observa uma tapeçaria e começa a se confundir se ele estava na tapeçaria ou se teria presenciado aquela cena em algum lugar, e a realidade e a imagem estampada no quadro começam a se fundir. Um conto curtinho, mas gostei bastante dos detalhes sobre a pintura e sobre o rapaz tentando descobrir, em conversas com ele mesmo, o que teria acontecido ali.

As Formigas: foi meu conto preferido. Duas estudantes se mudam para uma pensão, uma delas estudante de medicina outra de direito. O antigo morador do quarto também era estudante de medicina e havia deixado um baú contendo os ossos de um anão. De repente, formigas começam a aparecer no quarto e logo depois de alguns dias as duas moças se mudam de repente, na calada da noite, porque há algo errado com o lugar. É um baita conto, te deixa mesmo arrepiado, acho que um dos contos que mais flertam com o horror no livro.

Noturno Amarelo: um conto sobre morte e sobre arrependimentos, principalmente. A protagonista se encontra com algumas figuras de seu passado e começa a perceber o quão errado agiu com todas elas. Um conto bonito e triste, em que o fantástico está presente nesse encontro entre a moça viva e seu passado. 

No final, todos os contos acabam tendo algum detalhe ou outro interessantíssimos. Telles tem uma narrativa gostosa nos contos, e eu fiquei bastante feliz por conhecer mais sobre o trabalho. Pretendo ler outras coisas da autora e espero trazer mais resenhas sobre os livros dela. 

* livro cedido pela Global Editora. Conheça o trabalho da editora clicando aqui

Compre o livro

Melhores Contos, de Lygia Fagundes Telles Edição Física Amazon | Site da Editora

Jéssica Reinaldo

Jéssica Reinaldo

Formada em História, escreve e pesquisa sobre terror. Tem um afeto especial por filmes dos anos 1980, vampiros do século XIX e ler acompanhada de um café quentinho. Siga nas redes: Twitter | Facebook | Instagram

2 comentários:

  1. Ahhh, Lígia é uma das minhas autoras favoritas! Lembro que li o conto "Venha ver o pôr do sol" na escola e fiquei encantada e apavorada com a aura de terror. Depois disso, busquei ler sempre mais.

    Recentemente ganhei a antologia completa de contos dela (saiu pela Cia. das Letras) e é muito interessante, recomendo demais.

    Outro livro que amo é "As Meninas", um romance que se passa no período da ditadura militar e que acompanha três amigas bem diferentes se apoiando em meio ao caos. É todo em fluxo de consciência e bem bonito. Também recomendo fortemente.

    Amo como nos contos ela passa essa aura de coisas estranhas acontecendo, bem realismo fantástico. Lygia é tudo de bom!

    Amei muito texto! Parabéns <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, tanto pelo comentário quanto por ter gostado do texto <3

      Eu estou com essa antologia dela na wishlist faz um tempo, fiquei bastante interessada, mas como nunca tinha lido nada dela achei bom começar devagar hahahaa mas estou de olho, e estou de olho também em As Meninas. Queria muito ter tido contado com ela antes, tenho certeza que teria gostado muito de ter lido mais coisas assim na adolescência. Achei incrível mesmo!

      Obrigada pelas dicas, eu vou atrás de ambos os livros :D

      Excluir

Comentários educados são sempre bem recebidos!

Mas não aceito nem tolero ofensas, comentários impossíveis de compreender, spams e qualquer tipo de intolerância.

Os comentários são moderados, por isso aguarde a aprovação!

Instagram