Hoje é um bom dia para morrer: Flatliners (1990), Lazarus Effect (2015), e o retorno da morte.

A reanimação de cadáveres nos filmes Renascida do Inferno e Linha Mortal

E se, quando a gente morrer, realmente for pro céu ou pro inferno? Ou melhor: e se, quando morrermos, passássemos pelos piores momentos de nossas vidas, de novo e de novo, aqueles momentos que fomos horríveis com outras pessoas, aqueles momentos que nos lembramos antes de dormir, que por mais que tentemos apagar, nossa consciência acaba nos lembrando?

E se, de alguma forma, pudéssemos voltar de onde estávamos, e trouxéssemos conosco esses terrores?

Muitos filmes tratam do assunto de reanimação de cadáveres. Desde Frankenstein, a possibilidade de dar vida a algo morto é fascinante e serve de combustível para obras de terror, de forma ou de outra. Seja construindo uma criatura com membros mortos, seja trazendo à vida cadáveres, reanimação é um tema muito querido (ou algo do tipo) pro gênero.

Flatliners (Linha Mortal), de 1990, é um filme dirigido por Joel Schumacher, protagonizado por Kiefer Sutherland, Kevin Bacon, Julia Roberts e William Baldwin. Quatro médicos/cientistas descobrem que conseguem morrer e voltar, e querem descobrir o que há atrás do véu da mortalidade. Claro, isso não poderia dar certo. Os médicos passam a ter visões, conforme voltam. De início, pensam ser algo inofensivo, até que isso começa a afeta-los fisicamente.


The Lazarus Effect (Renascida do Inferno), filme de 2015, é dirigido por David Galb e protagonizado por Olivia Wilde, Mark Duplass, Evan Peters, Donald Glover e Sarah Bolger. Um grupo de quatro cientistas descobrem que, a combinação de um certo tipo de soro e eletricidade, pode trazer corpos mortos de volta à vida. O primeiro teste é feito em um cachorro, mas todos percebem que o cachorro está estranho, e decidem eletrocutá-lo novamente, esperando que algo melhor aconteça com a pobre criatura. Mas, em um momento de descuido, a personagem de Olivia Wilde, Zoe, acaba morrendo. Frank (Duplass), seu noivo, decide utilizar o soro e trazê-la de volta.


Diferente do caso de Linha Mortal, Zoe não foi trazida de volta porque quis. O gênio egoísta de Frank a trouxe de volta, o que foi um enorme erro. Como o título em português pode revelar, Zoe foi para o inferno, e quando retornou, acabou percebendo que mesmo que tenha tentado e andado na linha por todos esses anos, nada adiantou, e o erro que ela tinha cometido quando criança não foi apagado de sua conta.

Ambos os filmes trabalham com mais ou menos a mesma perspectiva: se você retorna da morte, algo retorna com você. O que foi visto "no além", denuncia todos seus erros em vida, todas as maldades e crueldades, e seus maiores medos são tratados nesses minutos.

Em ambos os casos temos pessoas que confrontam o que mais temem quando vão morrer: reviver os piores momentos de suas vidas. Seus sofrimentos, o que fizeram de mal para outras pessoas. Mas, enquanto Renascida do Inferno lida com a ciência e com a religião de uma forma mais estreita, deixando bem claro o que Zoe enfrentou ao ser resgatada de lá, Linha Mortal oferece um tipo de alívio: apesar de todos frequentarem algum local, a questão do pós-morte, ou do que é encontrado quando você morre, só demonstra seus piores momentos. Ninguém, em Linha Mortal, volta dominado pela crueldade como em Renascida do Inferno.

Renascida do Inferno, inclusive, trata da religião de uma forma interessante: Zoe se sente culpada por algo que fez na infância, e se apegou à religião para que fosse libertada do que fez. Em determinado momento, até conversa com Frank e Eva (Bolger) sobre seus sentimentos sobre o pós-morte, como a religião não precisa estar dissociada da ciência. Mas claro, porque Zoe não quer se sentir culpada do que fez, porque aquilo pode destruí-la.

Os médicos de Linha Mortal tentam encontrar conforte quando voltam, se desculpando e tentando compensar os erros do passado quando vivos. Zoe, ao voltar, em Renascida do Inferno, prefere que todos passem pelo que ela passou e morram também. São finais diferentes para um mesmo assunto, o que pode render conversas interessantes sobre o tema "reanimação de cadáveres".

Se você confrontasse os piores momentos de sua vida, tentaria consertar seus erros ou arrastaria todos aqueles que estavam com você no momento de sua morte para onde você esteve?

Flatliners encontra-se no catálogo de filmes do serviço de streaming Prime Video, The Lazarus Effect está no catálogo da Netflix.



Jéssica Reinaldo

Jéssica Reinaldo

Formada em História, escreve e pesquisa sobre terror. Tem um afeto especial por filmes dos anos 1980, vampiros do século XIX e ler acompanhada de um café quentinho. Siga nas redes: Twitter | Facebook | Instagram

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários educados são sempre bem recebidos!

Mas não aceito nem tolero ofensas, comentários impossíveis de compreender, spams e qualquer tipo de intolerância.

Os comentários são moderados, por isso aguarde a aprovação!

Instagram