The Perfection (2018): muito mais do que um filme sobre chegar à perfeição



The Perfection é um lançamento da Netflix. E, quando falamos de lançamentos da Netflix, geralmente as pessoas torcem o nariz e perdem o interesse logo, ainda mais quando estamos falando sobre terror.
Mas The Perfection se mostrou algo maior.
O texto a seguir tem spoilers, então sugiro que assista o filme antes de ler.


Charlotte (Allison Williams), um dia, foi uma musicista muito famosa, mas se afastou da carreira para poder cuidar da mãe, que ficou doente. Alguns anos se passaram, até que a mãe de Charlotte falece e ela entra em contato com seus antigos professores: Anton (Steven Weber) e Paloma (Alaina Huffman). Ao encontrá-los, eles estão com uma nova pupila: Lizzie (Logan Browning), uma nova prodígio.

Até aí o filme poderia ser mais um filme sobre competição feminina. Mas, quando se encontram, Lizzie e Charlotte parecem nutrir uma admiração mútuas, e acabam se envolvendo casualmente. Ao viajarem juntas, Lizzie acaba passando mal no ônibus, tendo diversas reações estranhas. Nesse ponto do filme, pensamos em algum vírus, algum tipo de horror sobrenatural, qualquer coisa.
Mas não. Charlotte envenenou Lizzie, para que visse insetos em seu vômito e causasse péssimas reações, como, por exemplo, fazer Lizzie decepar a própria mão. Então voltamos ao início: pensamos realmente que Charlotte tivesse inveja e ciúmes de Lizzie.
Lizzie recorre aos seus mecenas, mas, agora que não tem mais seus "talentos" para a música, a mandam embora.
Ao resolver se vingar, Lizzie vai até Charlotte, a agride, e a entrega a Anton.

Nesse momento temos, talvez, uma das maiores revelações do filme (se não a maior, já que o filme é cheio de reviravoltas): o instituto, Anton, Paloma, e os professores, todos estão juntos em um enorme esquema de abuso, fazendo com que todas as suas alunas passem por tratamentos abusivos para atingirem A Perfeição.
As alunas recebem tatuagens para demonstrarem que são talentosas e fazem parte do seleto grupo de "as melhores", e são tratadas como lixo se errarem as notas ao tocarem na Capela, um local construído na escola onde a acústica é perfeita, fazendo com que as alunas se sintam ainda mais pressionadas a não errarem. Quando erram, são abusadas.

Daí ao final muitas coisas acontecem, e descobrimos que Lizzie e Charlotte estão juntas e armaram contra Anton e a escola de música.


The Perfection tem muitos acontecimentos. Ao longo do filme, a cada meia hora, descobrimos algo diferente, e faz com que o ritmo do filme seja interessante. Não é um filme rápido demais, nem devagar demais.
E, se pudermos explicar em uma palavra o clima que o filme passa, seria a palavra paranoia. Sentimos a todo momento que algo está errado, que uma aura de horror de que as coisas não ficarão bem está presente em todos ali. A medida que esses acontecimentos se revelam, percebemos que nem tudo é o que parece ser.
Outro ponto interessante é a forma como o abuso é abordado: não temos closes desnecessários ou cenas que nos mostrem os acontecimentos*. Charlotte, ao drogar Lizzie, tenta retirá-la de dentro da instituição, pois já esteve naquele lugar e sabe que avisá-la somente não vai ajudar. Ela precisa ver, sentir, perder sua mão e perceber que é substituível para descobrir o que realmente acontece ali.
Sabemos como um relacionamento abusivo, independente do nível do relacionamento, funciona: demora para que a pessoa compreenda o que acontece, que aquilo é abusivo. E Charlotte, assim como Lizzie, pensaram que Anton as amava. Charlotte mostra para Lizzie que não. Para isso, toma medidas severas, mas aceitamos a licença poética do terror nesse sentido. Charlotte não vai até Anton para matá-lo e se vingar, Charlotte quer retirar Lizzie das mãos do homem, quer dar um passo de cada vez.

Todas essas camadas fazem com que o filme não seja somente um filme de terror psicológico, rape revenge, body horror, ou qualquer coisa que se pareça. Ele une elementos e transforma em um filme interessantíssimo, um terror bastante objetivo, mas que mantém linhas importantes de subjetividade.

O ponto negativo, talvez, é que, como a temática do filme não está explícita desde o começo, isso possa gerar gatilhos, mesmo que a direção tenha tomado cuidado na abordagem.

The Perfection foi dirigido por Richard Shepard, que, em sua carreira, podemos destacar o incrível episódio de Twilight Zone, "The Wunderkind", episódio de número cinco desse revival produzido por Jordan Peele.
Allison Williams e Logan Browning estão ótimas e;m seus papéis. Williams já havia feito sucesso no terror anteriormente com seu papel de Rose Armitage, no filme Corra!. Logan Browning esteve na série Cara Gente Branca, e tem um ótimo futuro no terror, se quiser continuar a carreira no gênero.

* O tema pode parecer controverso, mas a abordagem funciona nesse caso. Sabemos da necessidade de sempre alertar sobre como um relacionamento abusivo e o próprio abusam funcionam. Dessa forma, nesse contexto, Shepard encontrou uma maneira interessante de utilizar o tema sem que caísse em erros antes cometidos por filmes de rape revenge, por exemplo.


Jéssica Reinaldo

Jéssica Reinaldo

Formada em História, escreve e pesquisa sobre terror. Tem um afeto especial por filmes dos anos 1980, vampiros do século XIX e ler acompanhada de um café quentinho. Siga nas redes: Twitter | Facebook | Instagram

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários educados são sempre bem recebidos!

Mas não aceito nem tolero ofensas, comentários impossíveis de compreender, spams e qualquer tipo de intolerância.

Os comentários são moderados, por isso aguarde a aprovação!

Instagram