Musicais de terror

Cena de Anna and the Apocalypse (2017)


Encontrar pessoas que gostem de musicais, por mais estranho que possa parecer (afinal, quem não adora sair cantando e dançando no meio da rua?), é bastante complicado. Muita gente odeia e fica incomodado demais com, de repente, um personagem começar a cantar. Sobre aquela vergonha alheia que não se sabe onde esconder a cara.


Este não é meu caso. Eu amo um musical (o que não deve ser uma surpresa, visto que escrevi um imenso texto dizendo por quê Once More, With Feeling, episódio musical de Buffy, é um dos melhores episódios da série - pode ser lido aqui).
Meu sonho é poder andar tranquilamente na rua, receber uma notícia triste, e cantar uma canção bastante melancólica sobre como as coisas não são justas.
Mas até isso acontecer, eu me divirto assistindo musicais.
E, o que melhor do que um bom musical com temática de horror pra alegrar (ou destruir) uma boa noite fria?
Vou deixar algumas indicações dos que já assisti e me fizeram feliz (ou triste) e eu acredite que são boas histórias (nem sempre com uma grana para serem bem desenvolvidas, mas ok).

Anna and the Apocalipse (2017)

Dirigido por: John McPhail
Anna é uma garota que deseja, urgentemente, se mudar da cidadezinha em que vive. Para isso, teria que deixar o pai e o melhor amigo para trás. Porém, antes que possa completar seu plano, algo horrível acontece: zumbis!
Anna and the Apocalipse se tornou um dos meus filmes preferidos e eu sou capaz de entrar em brigas para defendê-lo. É um musical adolescente, com a maioria do elenco adolescente, com músicas que parecem muito adolescentes, mas é cheio de referências bacanas a outras obras do tipo, além de ter cenas maravilhosas como a Anna cantando enquanto o caos se espalha, e talvez tudo isso faça com que o filme seja incrível. Anna and the Apocalypse mostra como um filme de terror adolescente pode tratar de temas delicados, como perda e separação, sem ser bobo.
"ah, mas só por ser um musical já é bobo, imagina adolescente", bom, essa não é o texto pra você.



Repo! The Genetic Opera (2008)

Dirigido por: Darren Lynn Bousman
Depois de um enorme colapso no mundo, uma empresa tem vendido órgãos. Porém, se você não consegue pagar por seus órgãos, um dos empregados dessa empresa vai até onde você estiver e arranca o órgão de você. Shilo é filha de um desses homens, mas não sabe disso, e vive uma vida fechada e sozinha em seu quarto pela condição de saúde delicada.
Um dos melhores musicais do mundo pra mim. Eu assistiria isso no teatro umas duzentas vezes. Além de ter um elenco ABSURDO, contando com Anthony Head (o Giles, de Buffy); Paris Hilton; Alexa Vega (aquela mesmo, que fez Pequenos Espiões); Paul Sorvino (de Rocketeer e Os Bons Companheiros); Sarah Brightman (a soprano) e uma participação sensacional da Joan Jett, o filme ainda é sensacional, muito bem feito, tem ótimos personagens, ótimas cenas, é um sucesso. Se você gosta de histórias macabras, musicais, ou qualquer coisa desse tipo, assista!



Sinfonia da Necrópole (2014)

Dirigido por: Juliana Rojas
Um novo funcionário de um cemitério passa por estranhos acontecimentos quando mandado retirar os restos mortais de covas que deveriam ser realocadas. Ele acaba descobrindo, então, que não deveria mexer com os mortos, e sua vida muda completamente.
Esse filme é nacional, de uma das minhas diretoras preferidas, é incrivelmente bem feito, maravilhoso, eu só tenho elogios à ele. Juliana Rojas arrasa demais. Tem uma música sobre São Paulo que é especialmente sensacional e eu sou apaixonada demais nesse filme.



The Devil's Carnival (2012)

Dirigido por: Darren Lynn Bousman
Almas pecadoras e perdidas entram no Carnaval de Satã e acabam tendo que confrontar todos os pecados que cometeram em vida.
Dirigido pelo mesmo cara que dirigiu Repo!, e conta com um rosto conhecido: Terrance Zdunich, que interpreta o Graverobber no musical anterior, interpreta Lúcifer aqui. Não só isso, como também temos a presença de Emilie Autumn. É um filme curto, divertido, não tão bom quanto Repo!, mas ainda sim tem qualidade.


The Rocky Horror Picture Show (1975/2016)

Dirigido por: Jim Sharman/Kenny Ortega
Um casal de recém noivos acaba se perdendo em uma noite chuvosa e vai parar em um castelo, e lá irão conhecer Frank'n'Further, um alien transsexual, que está tentando construir o homem mais bonito do mundo.
Eu nem tenho o que falar sobre essa obra prima do cinema. Se você nunca assistiu a versão de 1975, assista! E se você assistiu mas ainda não viu o filme de 2016, veja! Ambos são ótimos, divertidos, com momentos sensacionais, músicas maravilhosas, e não tem como falar sobre esse filme sem dizer tudo isso. A versão original conta com Tim Curry e o remake com Laverne Cox e sinceramente é ótimo.



Phantom of the Paradise (1974)

Dirigido por: Brian De Palma
Um compositor tem a obra de sua vida roubada, e quando resolve ir atrás daquele que o roubou, acaba fazendo um pacto para que a mulher que ele ama cantasse a música que ele escreveu. Porém, é passado novamente para trás, e resolveu se vingar.
Um climão de Fantasma da Ópera na discoteca, porém por mais que pareça que isso jamais funcionaria, funcionou, e funcionou muito bem. Brian De Palma é um nome conhecido no terror, e fez algo incrível com esse plot bizarro.



Little Shop of Horrors (1986)

Dirigido por: Frank Oz
Um florista encontra um tipo esquisito de planta, que conversa com ele e pede que ele a alimente, mas ele a alimenta com sangue, e a planta (chamada de Audrey II, pois é o nome da mulher que o florista ama) perde completamente o controle.
Um dos musicais de terror mais conhecidos, claro, e é um ótimo musical. As músicas são ótimas e o filme tem cenas muito boas. Tem uma versão antiga, de 1960, com uma pequena participação do Jack Nicholson, mas não é musical e não é tão boa quanto essa.




Jéssica Reinaldo

Jéssica Reinaldo

Formada em História, escreve e pesquisa sobre terror. Tem um afeto especial por filmes dos anos 1980, vampiros do século XIX e ler acompanhada de um café quentinho. Siga nas redes: Twitter | Facebook | Instagram

Um comentário:

Comentários educados são sempre bem recebidos!

Mas não aceito nem tolero ofensas, comentários impossíveis de compreender, spams e qualquer tipo de intolerância.

Os comentários são moderados, por isso aguarde a aprovação!

Instagram