A Última Travessia, de Mats Strandberg


A Última Travessia, de Mats Strandberg, traduzido por Fernanda Sarmatz Åkesson, é um livro lançado recentemente pela Editora Morro Branco.



Na história, o cruzeiro Baltic Charisma está fazendo mais uma de suas viagens. Sua rota é no mar Báltico, com destino à Finlândia. Porém, o que ninguém dentro do navio espera, é que criaturas sanguinárias também estão fazendo parte dessa tripulação, e o cruzeiro talvez tenha um grande problema no meio do Oceano, sem ninguém para ajudar.

A Sybylla, do Momentum Saga, escreveu uma crítica bastante completa sobre o livro, que pode ser lida AQUI, e eu concordo com ela. O livro é demorado, ele não engrena fácil e temos algumas dificuldades em acompanhar o que acontece no navio. São vários personagens, vários pontos de vista e pode tornar o desenvolvimento meio enrolado.

Mas eu queria me ater aos vampiros de Strandberg. O texto contem spoilers.

Uma coisa muito comum que tem acontecido, após o mito do vampiro ter sido trazido de volta por produções como Crepúsculo, é a negação desse mito. "Sim, nós somos vampiros, mas não morremos no Sol, esqueça a bobagem sobre a religião" e eu entendo. O mito do vampiro pode ser moldado e utilizado da forma como bem se entende, e isso não é um problema. Essas criaturas acabam sendo vampiros e acabou. É até engraçado a negação de se usar a palavra vampiro durante o texto do livro. Uma das únicas vezes em que isso é mencionado, é quando Lo, uma das crianças no navio, menciona a possibilidade. Ela é desacreditada naquele momento, mas todos compreendem que talvez ela esteja certa.

Mas é interessante, nesse caso, perceber pelo processo que o mito do vampiro, o vampiro moderno, o vampiro pós-Drácula tem passado. Mesmo que não seja utilizada a palavra vampiro, sabemos do que se trata: é uma criatura que se alimenta da força vital de outra criatura. Mesmo que essa força não seja o sangue, ainda sim essa criatura seria um vampiro.

Outra coisa que Mats Stradberg se utiliza muito bem: a personalidade de seus personagens, e isso foi algo que me chamou muita atenção. No início do livro temos dois vampiros à bordo do Baltic Charisma: Alex e sua mãe. Conforme as páginas passam, descobrimos que Alex estava doente e, por isso, para salva-lo, sua mãe procura os anciões vampiros para transforma-lo. Abre mão de toda a sua fortuna para que ele se torne um vampiro, dando início ao caos. Ela é alertada que ele é uma criança e que ele não entende como as coisas funcionam, e transforma-lo em vampiro tão novo seria um erro enorme.

Mas será que Alex não tem mesmo noção do que está fazendo? Algo que Stradberg mostra muito bem é como as crianças que passam por todo o inferno à bordo do Baltic Charisma conseguem compreender o que há de errado. Alex não deveria saber?

Temos então uma das primeiras aparições: Dan Appelgren, cantor de um antigo reality show de talentos. Dan se mostra um homem muito egoísta e mesquinho, um personagem completamente odiável, e é algo que não muda quando ele se transforma em vampiro. Não há mudanças entre o antigo personagem e aquele que "despertou".

Porém não são todos os vampiros que permanecem assim. Vários vampiros quando despertam, os recém-nascidos, não compreendem o que está acontecendo e mal conseguem falar. Rastejam, vão atrás de carnificina, não são como seus antigos eus. Mas Dan é alguém tão asqueroso, que queria tanto ser melhor que todos os outros, que permanece da mesma forma como era antes. E pior, pois agora percebe que tem poder em mãos. Ele e Alex se unem para transformar todos os presentes no cruzeiro em vampiros, até uma dominação mundial - algo não muito original, mas ainda sim faz sentido, estamos falando de uma criança e um artista megalomaníaco.

Outra transformação que merece destaque é a de Pia, uma das seguranças do cruzeiro. Ao se transformar, Pia não tem uma personalidade tão forte e absurda quanto a de Dan, mas ela tem uma lealdade enorme pelo que faz, sabe que precisa manter todos em segurança e não se esquece disso ao despertar como vampira. Pia é uma personagem cativante e carismática, com bom coração, e permanece assim mesmo depois que acorda como vampira, sendo uma grande heroína do livro.

É algo a se ter em mente ao se trabalhar com histórias sobre vampiros. A personalidade da criatura é tão ou mais importante do que se ela anda durante o dia ou se alimenta de sangue, e é algo que o Mats Stradberg acrescenta em sua obra e pode ser marcado como ponto positivo.

Livro cedido pela Editora Morro Branco
Jéssica Reinaldo

Jéssica Reinaldo

Formada em História, escreve e pesquisa sobre terror. Tem um afeto especial por filmes dos anos 1980, vampiros do século XIX e ler acompanhada de um café quentinho. Siga nas redes: Twitter | Facebook | Instagram

2 comentários:

  1. Não usar a palavra "vampiro" me fez lembrar The Walking Dead que não usa a palavra "zumbi", são sempre biters, walkers, e por aí vai.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. então, eu sinto até como se fosse algum tipo de receio, sabe? parece que a palavra vampiro e zumbi caiu tanto no "popular" que o pessoal (autores, diretores) não querem mais dar uma ideia errada sobre as criaturas deles.

      Excluir

Comentários educados são sempre bem recebidos!

Mas não aceito nem tolero ofensas, comentários impossíveis de compreender, spams e qualquer tipo de intolerância.

Os comentários são moderados, por isso aguarde a aprovação!

Instagram